A essência do atendimento é a pessoa

Viajo muito a trabalho e vou acumulando exemplos de bons e maus atendimentos. Tem uma categoria de serviço que ouço muitas reclamações, que são corroboradas também pelas minhas próprias experiências: o táxi.

Recentemente, chegando de uma viagem internacional cansativa (14 horas!), em plena tarde do dia 24/12, doida pra chegar em casa para o Natal com a família, tive uma péssima experiência no desembarque do aeroporto do Galeão. Os taxistas ficavam escolhendo a corrida boa, descaradamente, e você, o cliente, igual peteca entre eles. A gente que paga pelo serviço se sente pedindo um favor, parece até que é de graça. Aff!

Mas hoje o que eu quero compartilhar é justamente o contrário: é um exemplo de excelente atendimento. Peguei um táxi ontem com destino ao Galeão. Quem mora no Rio sabe que o trânsito para lá pela Linha Amarela /Vermelha é uma caixinha de surpresa.  Sai de casa com antecedência e com o check-in na mão, mas esqueci que era sexta-feira, o dia em que o fluxo se intensifica em todos os lugares. Afinal, é o dia de tirar o carro da garagem para começar o fim de semana! Conclusão: o trânsito travou e eu comecei a temer por perder o voo.

O condutor, seu Luiz Carlos, senhor educado e bom de papo, vendo o trânsito complicar, perguntou a hora do voo e percebeu o aperto em que eu estava. Se esforçou pra valer, respeitando os limites de velocidade, claro, para que eu não perdesse o voo. Isso já é bem raro, tem taxista que sabe que você está atrasado, mas liga o f... e pronto. "Quem mandou sair tarde de casa ?", deve pensar. Parece até que começa a andar mais devagar, só pra mostrar que não tem obrigação nenhuma.

Já o Seu Luiz Carlos, não só se empenhou, como ainda me fez a surpreendente colocação: 

- Acho que a senhora vai perder o voo se ainda precisar passar o cartão quando chegarmos lá. Anota aí meu telefone. A senhora vai correndo e depois a gente combina de me pagar.

Oi ???!! Vocês têm noção do quanto isso é raro ? Uma corrida de táxi acima de R$ 100, com alguém que ele não conhecia, e ele deixou na pendura? Isso é mais que ter foco no cliente: é carregar o cliente no colo!

Precisei sair correndo mesmo e entrei na aeronave na última chamada, quase fechando as portas. Sentei e enviei uma mensagem àquele senhor generoso, que me ajudou a começar bem o dia! Agradeci mais uma vez e reforcei que ligarei pra ele na segunda para fechar a conta. Ele somente se preocupou de responder "boa viagem". Eu decolei, mas quem deu mais um passo para garantir o bilhete para o céu foi ele!

Que sorte a minha de encontrar o Seu Luiz Carlos ! Que exemplos como esse nos façam refletir que podemos ser prestativos e generosos nas nossas atividades, humanizando as relações, inclusive as comerciais, afinal, somos simplesmente pessoas por trás. 


Bj bj!

Kinha
Kinha

A bagagem de uma mulher, esposa, mãe, executiva e viajante, com um pouco de tudo e muito de nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse espaço é seu... Deixe seu comentário e vamos conversar!