Uma noite apenas...

Hoje, na hora do almoço no trabalho, eu soube do vídeo que tá bombando na internet do casal flagrado dando "umazinha" na praia de Rio das Ostras. O casal foi detido e já está na internet a resposta da tal senhora, que declara que fez corpo de delito e ficou atestado que não rolou. Mas é difícil acreditar quando se vê a cena. Mais difícil ainda de acreditar é que disseram que ela era casada e que o marido deu entrevista dizendo que a perdoava.

O assunto foi o começo para a enquete: dá para perdoar uma traição ? E o que é traição ? Depende do grau ? Dar um selinho é traição ?

Minha visão: traição não é necessariamente física. Traição está relacionada à motivação, ao sentimento. Declarar amor a alguém que não é o seu companheiro ou companheira, mesmo que não haja beijo, amasso ou sexo, é traição. É traição de sentimento. Você pode não ter chegado às vias de fato, mas entregou seu coração a outra pessoa. Transar não pode ser mais grave que isso.

Recentemente assisti a um filme que expõe bem esse ponto: "Apenas uma noite".

(**** Alerta de Spoiler **** Se você não quer saber informações do filme, pare de ler aqui.) 

O filme conta a história de um casal que parece se amar e viver bem. Um dia, a esposa acompanha o marido a um evento de trabalho e percebe um clima entre ele e uma linda colega de trabalho. Bate uma insegurança e ela acusa o marido de ter algo com a tal colega. Surge uma viagem a trabalho e ele vai justamente com a colega. Aí, acontece uma daquelas armadilhas do destino: a esposa, chateada, vai a uma cafeteria e encontra no caminho alguém especial que não vê há tempos. Ele a convida para jantar, ela aceita. No desenrolar do jantar, o clima entre os dois se revela e o passado vem à tona. Eles viveram uma forte paixão antes dela reatar o namoro e se casar com o marido.  

Em outra cidade, a colega do marido o assedia fortemente, incentivando-o a viver o hoje, para não se arrepender do que deixou de viver. A esposa, por sua vez, vê reacender a antiga paixão.

No final, o marido cede e transa com a colega. Ela não transa, mas dorme de conchinha com o amigo. De manhã, o marido se arruma apressado, arrependido, larga tudo, inclusive a reunião com o cliente, pega o primeiro avião para voltar para casa. A esposa caminha com o amigo, sem querer se despedir novamente e diz que nunca o esqueceu e que sempre o amará. Volta para casa e chora copiosamente, pela dor da despedida.

O filme vai fundo nos sentimentos e conflitos envolvidos e faz uma provocação: ela não transou, mas dormiu nos braços de outro homem, que diz amar. Não é traição ? Ele transou, mas se arrependeu, e voltou correndo para os braços da esposa. Merece perdão ?

No final, o fato é que o casal que parecia feliz, por causa de uma noite apenas, dificilmente voltará a ser como antes. Fica a reflexão: vale a pena arriscar uma vida por uma noite apenas ?     


Hoje, na hora do almoço no trabalho, eu soube do vídeo que tá bombando na internet do casal flagrado dando "umazinha" na praia d...

Mulher alfa, sim, senhor!

Essa semana eu assisti no programa "Mais Você", da Ana Maria Braga (sim, eu assumo! Eu assisto o programa enquanto vou para o trabalho ! ), uma matéria sobre "Mulher Alfa". No mundo animal, a fêmea alfa é a líder da matilha. Por similaridade, o termo "alfa" passou a ser atribuído à mulher independente, decidida, que toma a liderança da sua vida, no lado pessoal ou profissional.  

Alguns podem lembrar daquela música do rei do baião Luiz Gonzaga:

"Paraíba masculina, mulher macho, sim, senhor..."

A homenagem ao estado da Paraíba, a verdadeira "mulher macho" da canção, virou pejorativamente o tema das mulheres fortes e batalhadoras, porque muitos homens passaram a "confundir", inconsciente ou conscientemente, sua força interior com a sua opção sexual, seja como reação ao desconhecido, seja como uma ofensiva ao que viam como ameaça. Portanto, vamos deixar o preconceito de lado, não só em relação à "mulher macho", mas também à "mulher alfa", que nada tem a ver com a primeira. Ou pouco.    

Então, quem realmente é a mulher alfa ?

A mulher alfa é aquela que não precisa queimar sutiãs para ter voz. Ela não precisa chocar para chamar atenção. Ela é fruto da sociedade moderna, nasceu no berço construído pela luta de muitas gerações de mulheres, que conseguiram conquistar o respeito à sua individualidade. E estando nesse momento da história, ela assume a responsabilidade de efetivamente ocupar seu espaço na sociedade.

A mulher alfa é determinada, segura, dona de si e busca o sucesso profissional. Ela não quer competir com os homens, ela quer somar esforços com eles.

A mulher alfa é a capitã do time que também joga na defesa e no ataque. Ela não aceita abrir mão da vida pessoal, como muitas mulheres ao longo do tempo optaram por sacrificar para serem respeitadas profissionalmente. Ela cuida da família ao mesmo tempo em que investe na carreira.

A mulher alfa é a mulher plena. É a mulher que sabe que pode assumir a direção da sua vida. Ela é convicta do que é e do que quer. Não se prende a estereótipos sociais. Ela valoriza a diversidade de caminhos a seguir e respeita as escolhas de cada uma.  

Enfim, peço licença para usar uma frase de Che Guevara, que considero se encaixar perfeitamente ao conceito da mulher alfa:
"Hay que endurecer, pero sin perder la ternura jamás."


Voltando ao "Mais Você", no site do programa tem um teste para saber se você é mulher alfa. Eu já sabia a resposta antes mesmo de fazer o teste, mas não custava confirmar. Resultado:

"Mulher 100% alfa

Você é uma mulher independente, que cuida da família, dos negócios, é boa mãe, boa profissional e boa mulher!"

Sorri, realizada. Sou mulher alfa, sim, senhor!

Essa semana eu assisti no programa "Mais Você", da Ana Maria Braga (sim, eu assumo! Eu assisto o programa enquanto vou para o tra...

Dicas de viagem: Beto Carrero World

Aproveitamos um feriadão e fugimos para Balneário Camboriú - SC para levar as crianças ao Beto Carrero World, um parque temático brasileiro que vale muito a pena conhecer. Foram apenas 3 dias na região, que deixaram gostinho de quero mais. Vou compartilhar algumas dicas com vocês.

1) Desembarque no aeroporto de Navegantes.
Navegantes é a melhor opção para quem vai para Penha, onde fica o Beto Carrero World, pois está a 9 km da cidade. Para quem vai ficar em Balneário Camboriú, que fica a 35 km de Penha, como nós ficamos, também é a melhor opção, pois a distância do aeroporto é de 20 km; indo pelo aeroporto de Florianópolis são 99 km.

2) Alugue um carro. 
Alugar um carro é imprescindível, se você for ficar fora de Penha, porque te dará mobilidade para passear pela região, que é belíssima. No aeroporto tem várias locadoras, faça uma pesquisa prévia e já reserve on line. Utilizei o site www.rentcars.com.br. Acredite, são muitos lugares para ir e você vai precisar de um carro por lá. Fica mais econômico alugar um carro que pagar táxi pra cima e pra baixo.

3) Hospede-se em Balneário Camboriú.
Balneário Camboriú é o point da região. É um excelente local para ficar, pelas praias e pela infraestrutura de hotéis e restaurantes para todos os gostos. É fácil se deslocar de Balneário Camboriú para os passeios fora da cidade, como Brusque, Blumenau, Joinville, dentre outras. Além disso, fica a apenas 35 km do Beto Carrero World.

Lá tem pontos turísticos imperdíveis, como o Monumento Cristo Luz, que tem uma vista linda da cidade - mas não é tão bonito quanto o Cristo Redentor! :), e o teleférico, que leva até a Praia das Laranjeiras, que além da bela vista tem uma parada numa estação intermediária no meio da reserva da Mata Atlântica, com atividades para os mais aventureiros (e corajosos). Fiz um post sobre Balneário Camboriú com mais detalhes.


E pra quem curte, a vida noturna de Balneário Camboriú também não deixa a desejar!

Como nosso planejamento era para somente 3 dias, dos quais já havíamos comprado tickets para 2 dias no parque, a estrutura de lazer do hotel  não era relevante. O que precisávamos era de conforto para dormir e boa localização, para facilitar nossa circulação pela cidade. Escolhi o Hotel Plaza Camboriú, que fica na Av. Brasil, paralela à Av. Atlântica (beira-mar) e onde se concentra o comércio. Não tem estrutura de lazer para crianças, mas é bem localizado, possibilitando ir à praia e aos shoppings a pé, e não pega o fluxo da beira-mar para sair de carro. Fiz a pesquisa e reserva pelo Booking.com.

4) Beto Carrero World: com crianças, reserve dois dias.

O Beto Carrero World fica na cidade de Penha, a cerca de 40 minutos de Balneário Camboriú. É fácil chegar até lá, com a ajuda de um mapinha do google ou do GPS.

Se você vai com crianças, é bom reservar dois dias para o parque, para poder circular com calma e aproveitar bem os brinquedos e atrações. Sem contar que, dependendo da época, o parque pode estar cheio e com muitas filas para as atrações.

O parque tem uma área enorme (é o maior parque temático da América Latina), muitos brinquedos e ainda tem um mini-zoológico bem diversificado. São 8 áreas temáticas:

- Ilha do Pirata, que é a área, digamos, mais sinistra do parque. Parece uma ilha saqueada e abandonada. Ali, eu destaco a Casa dos Espelhos, onde você se diverte se vendo de várias formas, e o Barco Pirata, que é daqueles que balançam como gangorras. Esse é radical.


- Triplikland: essa é a área dos brinquedos mais tradicionais, onde estão o carrossel, a roda gigante, as xícaras malucas, o auto pista, etc. É uma área alegre, a área mais infantil do parque.

- Vila Germânica: sinta-se na Alemanha e tome uma cerveja na Bier Haus! Antes, dê uma voltinha na Tigor Montain, a montanha-russa para crianças, light light.


E não deixe de assistir ao show Excalibur, um show de cavaleiros medievais baseado na lenda do rei Arthur. A plateia faz um show à parte, torcendo para o cavaleiro do seu reino. Acontece no horário do almoço (12h em ponto), é pago à parte e a refeição é incluída. Vale a pena!


- Avenida das Nações: é a parte central do parque, onde fica a praça de alimentação. Na praça de alimentação tem um carrossel lindo, onde os adultos podem acompanhar seus filhos. Dá pra recordar seus tempos de criança! Destaco ainda nessa área o Raskapusca, um passeio bem light pelo mundo da fantasia, e o Betinho Carrero 4D, cinema 4 D bem divertido.

- Velho Oeste: aqui ficam os cavalos e pôneis. Parada obrigatória: as crianças adoram! Também fica aqui o Memorial Beto Carrero, onde acontece o show "O sonho de um cowboy". Esse show é imperdível e acontece às 18h, encerrando a programação do dia. É um musical inspirado na história de Beto Carrero, ficção inspirada em realidade. Não paga para assistir. Só a pipoca! :)

- Mundo Animal: um zoológico no parque. Aqui você verá leões, tigres, serpentes, girafas, macacos, aves, etc. Aqui também fica uma atração antiga, dos tempos dos parques itinerantes: a Monga, a mulher que vira gorila. Foi a primeira vez que tive  a coragem de assistir. :) Além disso, tem uma fazendinha, onde você pode alimentar e acariciar os animais. As crianças adoram.




-  Aventura Radical: o nome já diz tudo, né ? Prepare-se para encarar os brinquedos mais radicais: a torre que despenca, montanhas-russas, etc. Aqui também acontece um show muito legal, principalmente para aqueles que adoram carros e velocidade: Velozes e Furiosos Show. Não tava dando nada por ele, mas me amarei! Meu marido e filho então...


Aqui também tem uma atração chamada Portal da Escuridão, que é uma casa do terror com personagens vivos. Não lembro a idade mínima, mas adianto que dá pra assustar legal! Todo mundo sai correndo! Essa atração também é paga à parte.


Mas também tem aventura para crianças... Nem tão radical assim...


- Dinomagic: essa atração é um passeio de trenzinho que é muito divertido, pois passa por diversos cenários e tem umas surpresas no percurso... Imagina só, bandidos do Velho Oeste tentam assaltar o trem! Depois, o trem passa por uma passagem para o mundo dos dinossauros...

O parque tem uma área novíssima e temática: Madagascar! É onde acontece um show com personagens do filme, bem divertido. Além de assistir ao show, não deixe de brincar nas corredeiras divertidas Madagascar Crazy River!

Além da turma do Madagascar, você também pode encontrar outros personagens dos filmes da Dreamworks no Beto Carrero, como Shrek e Kung Fu Panda. Veja os horários e locais no folder da programação do parque e não deixe de tirar aquela foto!


A praça de alimentação conta com excelentes opções de lanches e refeições. Dá para almoçar mesmo. Além disso, tem várias lanchonetes e quiosques espalhados pelo parque.

Mesmo se estiver chovendo, dá para se divertir. A lojinha da entrada do parque tem capas de chuva. Compre, vista e aproveite. Nos dois dias que passamos lá, o primeiro foi um dia de chuva, mas mesmo assim não comprometeu.

Se você está planejando ir à Disney, eu recomendaria que fosse primeiro ao Beto Carrero World. Dá orgulho ver que um brasileiro construiu um belo complexo temático. O parque foi inspirado na Disney World e é fácil associar algumas atrações com o que tem lá fora. Porém, a Disney é mega e muda sua perspectiva. Se você levar seus filhos ao Beto Carrero após conhecer a Disney, certamente não terá o mesmo encanto. Eu fiz isso e me arrependi. Não que não tenham gostado, ao contrário, se divertiram pra valer, tanto que repetiram com vontade, mas não teve o mesmo impacto, porque a curva da expectativa já estava alta.

5) Dê uma esticadinha a Blumenau.


Depois de 2 dias de parque, resolvemos passear por Blumenau, um pedacinho da Alemanha no Brasil. Fizemos um turismo básico, circulando pelo centro da cidade, passando pela prefeitura (belíssima construção), pela tradicional XV de Novembro, pela ponte da Estrada de Ferro e a Catedral de São Paulo Apóstolo. Também visitamos o Parque Vila Germânica, onde acontece a Oktoberfest. Tomamos um chocolate quente delicioso e compramos chocolates artesanais que não deixaram a desejar em relação às tradicionais cervejas (como se fosse possível comparar bananas com laranjas! rss).

Blumenau também é boa para umas comprinhas. Jeans e couro a preços bem convidativos. Não deu pra sair da cidade de mãos vazias!


Se você está planejando levar as crianças ao Beto Carrero World, eu recomendo! Aproveite para curtir Balneário Camboriú e esticar pelas cidades vizinhas, como Blumenau. Vocês vão gostar! ;)

Boa viagem!

Aproveitamos um feriadão e fugimos para Balneário Camboriú - SC para levar as crianças ao Beto Carrero World, um parque temático brasileir...

Muitos carnavais



Foi-se o tempo em que Carnaval para mim era sinônimo de 6 dias de folia. Começava na sexta, no "Baile Pré-Carnaval", que emendava nos 4 dias de folia oficial e, ainda de quebra, no sábado seguinte ainda tinha o "Baile da Vitória". A gente mal se ligava na escola de samba campeã do Carnaval, mas estava lá no clube comemorando sua vitória. Tudo era motivo, claro!

No auge da adolescência, comprar os ingressos para todos os dias no clube era a minha carta de alforria assinada pelos meus pais. Se para mim era a liberdade, para meus pais representava a tranquilidade de que eu estaria segura dentro de um ambiente fechado (lamentavelmente a recente tragédia na "Boate Kiss" mostrou que não é bem assim). Foram muitos carnavais ao som de marchinhas e sambas que marcaram época, ao lado de um grande grupo de amigos do meu prédio. E naquela época ainda não estávamos na onda do "carnaval do beijo na boca", em que quantas mais bocas beijasse, melhor. O que fizesse no baile, ficaria marcado na história do ano todo. Ficar com dois já seria arriscar demais a sua reputação. Era melhor ser bem criteriosa na escolha e só ficar com alguém por volta da segunda-feira, para não correr o risco de se arrepender antes da terça... Outros tempos aqueles...

Casei, nossos filhos nasceram e esse tempo de foliã naturalmente ficou para trás. Nos últimos anos, nosso programa de Carnaval era buscar um lugar para descansar com as crianças. Mas esse ano, pensamos em fazer algo diferente. Com o ressurgimento dos bailes nos clubes e consolidação dos blocos de rua, resolvemos aproveitar o carnaval na cidade.

Começamos com o bloco infantil Gigantes da Lira. Bloco com direito a animadores, mestre-sala e porta-bandeira mirins, animado por pais e mães acompanhando seus filhos. A farra das crianças mesmo era jogar confete e serpentina uns nos outros. Dos pais, ficar babando com os filhos lindos de fantasia e dando os primeiros passos de samba. Não tem preço!

Depois, crianças em casa, hora dos pais se divertirem no Baile de Máscaras do Vivo Rio. Fomos com um casal de amigos queridos e dançamos a noite inteira ao som de Ivo Meirelles com a bateria da Mangueira (minha escola do coração) e a banda Santa Clara. Nos intervalos, DJs mandando bem com os sucessos de hoje (da vodka e água de coco do Naldo ao camaro amarelo de Munhoz e Mariano) e das antigas. Chegamos em casa com o dia claro, coisa que há muito tempo não fazíamos!

Não paramos aí. Fomos ao bloco infantil "Largo do Machadinho, mas não largo o meu suquinho", no Largo do Machado. Estava um pouco preocupada, com medo do calor e do tumulto, mas encontramos um ambiente super familiar, bem arborizado, o que aliviou o calor, onde as crianças puderam brincar tranquilamente. Recomendo aos pais. O único inconveniente é o trânsito. Se puderem evitar ir de carro, melhor. Ficamos mais de uma hora para seguir a Rua das Laranjeiras, porque justamente naquele horário passava o bloco da Alice (devia ter me informado antes). A melhor opção mesmo deve ser ir de metrô, já que a estação é na própria praça! Lembrarei disso ano que vem!

Hoje é terça-feira, último dia de folia, e eu estou acabada! Estou na cama, assistindo TV com o laptop no colo, tomando coragem para encarar mais um baile infantil num shopping. A minha bateria acabou. A conclusão que eu chego é: tô ficando velha! Ou preciso urgentemente ter uma bateria sobressalente, para alternar uma com a outra, como fez a Mangueira, que inovou e escreveu mais uma página na história do Carnaval, com duas baterias. Sou suspeita para falar, eu reconheço! Mas que foi lindo, isso foi! Nenhuma descontinuidade, pura cadência.

E ao relembrar a minha disposição nos carnavais da adolescência, em que a matinê era praticamente emendada no baile noturno, e no dia seguinte tinha que estar desperta logo cedo, para ajudar a minha mãe a arrumar a casa e não dar motivos para o meu pai reclamar, a minha ficha caiu e comecei a entender o significado daquela expressão "te conheço de muitos carnavais". Quando essa frase se aplica a você, a sua cadência não é mais a mesma.

Foi-se o tempo em que Carnaval para mim era sinônimo de 6 dias de folia. Começava na sexta, no "Baile Pré-Carnaval", que emen...

Amar de verdade é dar liberdade a quem você ama

Perguntei ao meu marido se ele estava lendo meu blog. A resposta dele foi simples e direta: "Não. Não quero ficar lendo para não tirar sua liberdade." Na hora, fiquei um pouco decepcionada. Respondi que o meu objetivo não era falar mal de marido, então, não me preocupava com isso. Mas depois, repensando, percebi a grandeza dessa atitude.

Não tirar a minha liberdade. Quantas pessoas pensam na liberdade do outro ? Quantos fazem de tudo para entrar na cabeça do outro, para saber o que pensam, mesmo que com a boa intenção de descobrir como agradá-los ? Certamente, ele não é uma exceção e deve, no fundo, querer saber o que tanto escrevo. Mas não ler é uma forma de respeitar o meu espaço. Mesmo que esteja publicamente aberto.

Não tirar a minha liberdade. Lembrei daquela música que diz que "amar de verdade é dar liberdade a quem você ama" e sorri. Enfim, compreendi que ele demonstra muito mais seu amor por mim não lendo do que se fosse o meu maior leitor.


Perguntei ao meu marido se ele estava lendo meu blog. A resposta dele foi simples e direta: "Não. Não quero ficar lendo para não tirar...

Decida viver

Ontem tomei um táxi para o centro do Rio. Às vésperas do Carnaval, não há muita opção de trajeto, pois muitas ruas já estão fechadas, para facilitar o acesso dos carros alegóricos à passarela do samba para o desfile das escolas. A pergunta do motorista era inevitável: "Quer seguir por qual caminho ?" Respondi sem pestanejar: "Pode escolher o melhor caminho pela sua experiência." Ele sorriu, mas percebi que ficou meio desconfortável.

Essa situação me fez lembrar um amigo que dizia que nunca indicava qual caminho seguir no táxi, para ao final da corrida ter a quem culpar se a opção não tivesse sido a melhor.
Engraçado como muitas vezes acabamos fazendo isso sem perceber na nossa vida. Deixamos que outras pessoas tomem decisões por nós para não termos que nos culpar depois. Abrimos mão do nosso direito de decidir o que é melhor para nós e deixamos a vida se encarregar de dar a direção. Não exercemos o nosso livre arbítrio. Ficamos passivos aos acontecimentos. E depois, quando as coisas não são como desejamos, culpamos tudo e todos, menos a nós mesmos.

Tomar decisões nem sempre é fácil. Algumas decisões podem mudar completamente o curso da sua história. É natural se sentir inseguro, ter medo das consequencias. Isso é viver. Quem disse que viver é fácil ? 

Mas depois que perde o timing, não adianta se lamentar. O bonde já passou e outro embarcou no seu lugar. A culpa é do bonde, que passou rápido demais, ou é sua, que ficou esperando demais para decidir embarcar ? Decida! A vida não espera por ninguém. Erre, acerte. Não importa. Mas tome sua própria decisão. É melhor a frustração de não ter conseguido, mas com a convicção de que tudo foi feito, do que o arrependimento de não ter se empenhado ou, o que é pior, de nem ter tentado.

Ontem tomei um táxi para o centro do Rio. Às vésperas do Carnaval, não há muita opção de trajeto, pois muitas ruas já estão fechadas, para ...

Cada um dá o que tem

Tem pessoas que reclamam da vida, reclamam dos outros, só reclamam... Reclamam que a vida não está fácil, que o trabalho está uma droga, que as portas se fecham, que os outros não as compreendem, que está tudo dando errado... Mas será que é isso mesmo ? Já pensaram que ao mudar de perspectiva e olhar pelo ângulo que as outras pessoas as vêem, elas podem ser surpreendidas com a clara visão de que o problema nem sempre está lá fora ?

Se você só reclama, só vê as coisas pelo pior lado, você não vai conseguir enxergar as coisas boas que a vida lhe apresenta. Se você se acostumou a olhar o mundo com amargura, não se espante se você tiver só coisas negativas para reconhecer. A sua visão se tornou turva. E você vai transmitir essa percepção parcial do mundo, essa visão da vida em preto e branco.

Quando você enxerga as coisas de forma positiva, uma onda positiva vem ao seu encontro. Sabe aquela percepção de quando você está inclinada a comprar um carro novo e parece que só dá o modelo escolhido na rua ? Pois é exatamente o que acontece. Sua "atenção seletiva" seleciona, perdoem a redundância, o que realmente você "enxerga". Então, se você vê o mundo com os olhos do amor, é isso que você vai reconhecer, nas grandes ou nas pequenas coisas. E mesmo na pior situação, você vai enxergar o lado bom.
Ser otimista ou ser pessimista são alternativas mutuamente excludentes que definem quem você é. E essa decisão é realmente pessoal e intransferível! 

Se eu tenho que escolher um estado de espírito, eu escolho ser 100% otimista.

Eu escolho não reclamar que as portas se fecharam e me questionar o que eu posso fazer para arrombá-las.

Eu escolho não reclamar que ninguém me compreende e refletir sobre o ponto de vista deles. Posso concluir que não há um certo e um errado nessa história, e chegar à conclusão que existe um meio do caminho para o entendimento mútuo.

Eu escolho não reclamar do trabalho e pensar o que eu posso fazer para mudar. Mesmo que a melhor opção seja eu me mudar! Não dizem que os incomodados que se mudem ?

Eu escolho não falar mal da vida e, sim, aceitar de peito aberto o que vem pela frente.

Mas acima de tudo, eu escolho não deixar as opiniões alheias interferirem em quem eu sou e como me sinto. Afinal de contas, nem sempre o que dizem retrata a realidade. Às vezes, a versão se sobrepõe à verdade. E nesse caso, o que esperar dessas pessoas  ? Nada! Porque a gente só dá o que tem. Se é isso o que te dão, imagine como esses corações estão ! Então, não reclame... O tempo e a vida se encarregarão de cuidar. 





Tem pessoas que reclamam da vida, reclamam dos outros, só reclamam... Reclamam que a vida não está fácil, que o trabalho está uma droga, ...

Dicas de viagem: Porto Seguro

Dia do índio. É certo que as crianças que ainda estão na educação infantil farão atividades sobre o tema na escola e ainda irão para casa "vestidas de índios". As mães já esperam na saída da escola com câmeras em punho, para registrar esse momento. Como meus filhos vão no transporte escolar, tenho que me contentar com uma foto tirada na chegada, já amassados e borrados da viagem, quando a "tia" (a babá) lembra de registrar. Mesmo quando eu deixo a câmera em cima da mesa para isso...

Mas essa introdução é só para comentar que esse ano, quando cheguei do trabalho, minha filha, então com 5 anos, veio intrigada me perguntar: "Mãe, os índios existem ?" Fiquei surpresa com a pergunta. Imaginei o que passaria pela cabecinha dela ! Rapidamente, respondi que sim e estava começando a explicar a importância dos índios na história do povo brasileiro, quando ela me interrompeu para pedir: "Então, me leva para conhecer um ?" Me senti na obrigação de atender a esse pedido, não só por ser um pedido de filho, que, claro, todo pai e toda mãe quer atender, mas também para manter a nossa cultura viva.

E assim, poucos meses depois, ao planejar as nossas férias, não pensei duas vezes: vamos para um lugar que tenha uma aldeia para visitarmos. E juntando o útil ao agradável, acabamos desembarcando em Porto Seguro! Um pouco de história do Brasil e da cultura indígena, com muita beleza natural, sol e mar! Tá bom pra você ? Então, vou deixar aqui algumas dicas dessa viagem.

Praias

Se você está procurando agito, música e dança a céu aberto, a galera fazendo a coreografia, ao som do último hit da axé music, você quer ficar em Taperapuã. Lá, você tem diversas opções de hotéis na orla, em frente às barracas mais famosas de Porto Seguro, como TôaTôa, AxéMoi, Barramares e outras, que fazem a praia ferver. Dia e noite, acontecem shows e apresentações de dança no palco. Não dá para ir a Porto Seguro e não conhecer essas "barracas", que só são barracas no nome, pois têm uma infraestrutura de casas de eventos. Mas se prepare: não vá com fome, principalmente com crianças. É muita gente, os garçons não dão conta, demora muito. Além disso, a comida parece preparada em escala industrial. Não tem aquele sabor especial.

Se você tem crianças, como eu, vai querer ficar sossegado, curtindo uma praia tranquila, com a família. Nesse caso, a região de Santa Cruz de Cabrália é a melhor opção. Fica a cerca de 14 km de Porto Seguro e as praias são ótimas. Recomendo especialmente as praias de Mutá e Coroa Vermelha. Ambiente tranquilo, sem música bombando nos ouvidos e sem aquele clima de azaração. Mar calminho e rasinho para a criançada.

Coroa Vermelha

Além da praia, Coroa Vermelha tem outras atrações. É onde se encontra a Cruz do Descobrimento, monumento que marca o local onde foi celebrada a primeira missa no Brasil. Ao lado da cruz, você encontra alguns índios, totalmente caracterizados, prontos para fotografar com os turistas. Minha filha travou. Não acreditava que estava frente a um índio de verdade! Claro que pedimos para fotografar. R$ 5,00 a foto.

Na passarela para a praia, você encontra um comércio de ponta a ponta, com muito artesanato, souvenirs, camisetas e moda praia. Em algumas lojinhas, você aluga uma vestimenta dos índios para fazer fotos. A minha filha vestiu e se sentiu uma verdadeira indiazinha. Já o meu filho, nem pagando!!!

Também fica ali o Museu do Índio, com muitas peças de uso pessoal, instrumentos de caça e pesca e artesanato dos índios pataxós. Vale à pena conhecer. O guia que nos acompanhou era um indiozinho de 10 anos, que ainda fez uma piadinha no dialeto pataxó ao final da apresentação. Se ele nos xingou, não sei, mas achei tão bonitinho...

Ao lado, fica o Comércio Indígena Pataxó, com muitas outras lojinhas. Visite a loja de produtos naturais do pajé da aldeira Pataxó. Você vai se surpreender com as garrafadas!

Memorial do Descobrimento



Na BR-367, avenida principal de Porto Seguro, antes de chegar a Taperapuã, você encontra o Memorial do Descobrimento, um museu a céu aberto que mostra um pouco da história do descobrimento, desde trechos de cartas dos navegadores portugueses e elementos históricos e artísticos, a uma oca estruturada com utensílios dos índios, para mostrar como viviam os primeiros habitantes. Mas o que achamos mais interessante foi a réplica de uma caravela. Você pode entrar e se imaginar um tripulante. Só posso dizer que tinha que ser guerreiro para aguentar tanto tempo no mar naquelas condições. Longe de ser um cruzeiro marítimo... rssss

Recife de Fora
Passeio muito recomendado! Se você gosta de mergulho, é imperdível. Com crianças, pode ser um ato de bravura! rsss

Recife de Fora é uma barreira de corais em alto mar, com espécies raras, além de peixes e moluscos. O passeio é feito por diversas agências. Na passarela do álcool, você encontra várias. Em média, custa R$ 70,00. Você ainda pode alugar a máscara, o snorkel, um par de sandália emborrachada croc (para proteger os pés dos corais e ouriços) e uma capa a prova d'água para a câmera. O passeio depende da maré, mas a agência sabe qual o melhor horário. 


Você vai de saveiro até os recifes, quase 1 hora (se você enjoa, tome antes um remedinho), lá desce para os botes infláveis e na altura da cintura, segue caminhando ou nadando até as piscinas naturais. Alto mar, logo, a água é fria! Um baita choque térmico quando desce do bote. Ali, acabou a alegria do meu filho, que é megafriorento.

O visual é lindo! Você mergulha com peixinhos ao seu redor, sente tocar na sua perna. Estava tudo indo bem até minha filha ver um ouriço. A partir daí, ela não quis mais pisar no chão, com medo do danado! Resultado: eu não curti quase nada, pois as crianças só reclamavam, cada uma por uma razão. Não via a hora de voltar! Mas, mesmo assim, valeu conhecer.


Centro Histórico

É o primeiro centro habitacional do Brasil. Fica acima da orla e tem uma vista maravilhosa das praias. Lá estão o Marco do Descobrimento, trazido de Portugal, a Igreja de Nossa Senhora da Pena (padroeira da cidade), a Casa de Câmara e Cadeia, hoje o Museu de Porto Seguro. Você não precisa de guias para chegar ou mesmo circular no local (que basicamente é uma rua!), mas, tem uma equipe lá, se oferecendo para guiar o passeio. Acabamos contratando um guia e, sinceramente, eu achei que agregou. Ele era divertido, conhecia causos interessantes, informações como a "casa de fulano é ali", "essa árvore aqui é de não sei o que", dicas dos melhores doces nas barracas, além de esbanjar simpatia e de poder nos fotografar juntos.

No final do tour, tem um comércio, onde você pode se refrescar com uma água de coco gelada, comer uma tapioca, comprar doces (tem cocada de tudo quanto é sabor e um chocolate caseiro delicioso!), além de comprar souvenirs e artesanato!



 Passarela do Álcool

É o point. A Passarela do Álcool fica no Centro da cidade e reúne de tudo um pouco: bares, restaurantes, lojas de artesanato, barracas de bebidas, de artigos religiosos, etc. Tem opções para todos os gostos e gastos. Do boteco pé-de-chinelo ao melhor da culinária baiana. Vale a pena circular por lá. Pode levar as crianças que tem até uma recreação com brinquedos infláveis, do tipo pula-pula.

No final da passarela, tem uma travessa chamada “O Beco”. Lá você encontra bares e restaurantes super aconchegantes, com bons vinhos, música ao vivo e luz de velas. Além de pizza ! Em frente, tem uma sorveteria ótima para a alegria das crianças. Adorei!

Reserva Pataxó da Jaqueira
(Acesso pela BR-367, direção Santa Cruz Cabrália. Virar à esquerda em frente ao Barramares.)

Esse foi o ponto alto da viagem. Visita à aldeia indígena, no meio da mata nativa. Os índios recebem os visitantes a caráter. É a materialização dos livros de história!

Um índio recebe os visitantes na entrada da reserva e leva até a aldeia, caminhando pela mata. Uma trilha bem legal. Depois, uma índia faz uma breve exposição sobre a cultura indígena, sua infância e tradições. A seguir, você faz um tour pela aldeia, com outro índio, e conhece o interior de uma oca, plantas medicinais, a escola pataxó, onde os índiozinhos aprendem as duas línguas, português e pataxó. Depois, ele ensina a usar  arco e flecha. É difícil, gente! Dali, ele te mostra o artesanato confeccionado por eles, para você comprar, claro! E, se quiser, ainda pode almoçar na aldeia. 

Você precisa agendar a visita com a Associação Pataxó de Ecoturismo (tel.: 73 3288 1256 / Cel.: 73 9979 5597). As agências também fazem o passeio. Eu saí realizada! E minha filha também! Vale muito a pena essa imersão na cultura indígena!

Espero que essas dicas ajudem e que você se anime a visitar Porto Seguro, onde todo dia é dia de índio!

Boa viagem!!!

(Realização da viagem: novembro/2012)
  

Dia do índio. É certo que as crianças que ainda estão na educação infantil farão atividades sobre o tema na escola e ainda irão para casa ...