Chile: Dando uma volta pelo Centro Histórico de Santiago

Faz parte de qualquer roteiro básico em Santiago dar uma volta pelo centro histórico, onde estão os principais monumentos históricos, já que a fundação da cidade aconteceu ali naquela região. Tiramos um dia para visitar alguns desses pontos turísticos. Quer nos acompanhar nesse circuito ?

Palácio de La Moneda
O Palácio de La Moneda é um dos pontos turísticos do país e recebeu esse nome porque antigamente era onde funcionava a Casa da Moeda. Atualmente é a sede da Presidência do Chile.

Dia sim, dia não, às 10 h da manhã, acontece a solenidade de troca da guarda do palácio, com direito a banda militar, cavalaria, militares marchando, etc.
Além dos turistas que cercam o palácio para assistir a solenidade, vi chilenos passando por ali, em plena correria cotidiana, e dando uma paradinha para olhar respeitosamente. Vi também crianças da pré-escola, acompanhadas de suas professoras, assistindo a solenidade e marchando com os soldados. Fiquei admirada que ali, no centro da cidade, acontecesse aquela manifestação cívica.

Ali na praça fica um monumento do presidente chileno Salvador Allende, deposto pelo golpe de estado em 1973, quando assumiu o ditador Pinochet.

Catedral Metropolitana de Santiago
A Catedral Metropolitana de Santiago é a principal igreja católica do Chile, sede da Arquidiocese. Diz-se que desde a fundação da cidade, Pedro de Valdivia reservou uma área na Plaza de Armas para construir uma igreja, por isso a história da Catedral se mistura com a história do Chile. Além da sua importância religiosa, a catedral é um monumento valioso pela sua história e arquitetura, tendo sido declarada patrimônio histórico do país.

Curiosidade: esta igreja já teve que ser reconstruída 5 vezes ao longo da história, por diversos motivos, de terremotos a incêndios. A última construção é datada de 1748, mas continuou sendo aperfeiçoada por anos, só sendo realmente declarada concluída em 1800. Tendo passado por diversos profissionais, a igreja acabou adquirindo um estilo bem eclético.

Desculpe, mas você não vai ver fotos da parte interna da catedral aqui, pois eu não costumo fotografar dentro das igrejas. Prefiro só contemplar e orar... 

Mercado Central
O Mercado Central é um ponto turístico da cidade que abriga um típico mercadão. Ali são vendidos peixes frescos, frutos do mar, frutas típicas, verduras, ervas, etc. 

Por fora, parece uma construção antiga (o prédio é datado de 1872) e tradicional, mas por dentro lembra uma estação de trem, por sua estrutura de ferro.
 Monumento no centro da área principal

Difícil dar um passo sem ser abordada pelos garçons nas portas dos restaurantes que ficam na praça central do mercado. O prato mais recomendado é a centolla, um crustáceo que parece um caranguejo, só que muito maior. Dois restaurantes são bem tradicionais: El Galeón e Donde Augusto.
Além dos restaurantes, a praça principal também concentra lojas de artesanato e agências de turismo. Achei as atendentes das lojas de artesanato pouco amistosas e muito impacientes com as crianças. Acreditem ou não, uma senhora levantou uma colher de pau na direção das mãos da minha filha para impedir que ela mexesse nos objetos. Saí da loja imediatamente. Mal sabe ela que quem me faz comprar artesanato é a minha filha... Perdeu a cliente. 

Ah! Antes de chegar na entrada principal do Mercado Central, no contorno do prédio, mas voltada para a rua, encontramos o Lunino Emporio, o lugar que vende a empanada de piño mais famosa de Santiago. Nós nem almoçamos no Mercado Central, pois ninguém resistiu a provar essa especialidade chilena. Sinceramente, não fiquei muito fã da empanada de piño, não, mas acho que tem que experimentar.

Cerro de Santa Lucía
O cerro de Santa Lucía é um elevado no meio da cidade onde aconteceu a fundação da cidade de Santiago, pelo espanhol Pedro de Valdívia, em 1541. (Santiago tem quase a mesma idade que o Brasil!)

Ali no cerro estão uma capela e as ruínas de um castelo e um forte. Isso porque o cerro foi durante anos uma fortaleza para as tropas espanholas, que tinham no lugar uma vista privilegiada da cidade (e dos movimentos dos invasores).
São quase 300 degraus de escada para chegar no alto do cerro, mas vale a pena porque a vista é linda.
Além de você ver toda a cidade, ainda tem o paredão da Cordilheira dos Andes ao fundo.
Os jardins são um convite para desfrutar bons momentos ali. Vi muitos profissionais arrumados, homens de terno e gravata, mulheres de tailler, relaxando no gramado, no pé do cerro, no horário de almoço; jovens namorando; crianças brincando. Definitivamente, é um lugar para relaxar no meio da cidade. Vale a visita.

Centro Artesanal Santa Lucía
Logo na descida do Cerro de Santa Lucia, perto da estação de metrô, a gente encontra um centro artesanal, cheio de coisas bonitas. Dá para perder um tempinho comprando artigos chilenos, como pantufas e tapetes de lhama, quadros de cobre, bijuterias de lápis lazúli, uma pedra semi-preciosa muito comum nos artefatos da civilização egípcia e presente nas minas do chile, de cor azul, entre outros itens. Prepare-se para gastar um bom tempo (e dinheiro!) por ali.
Assim, encerramos nosso passeio pelo centro histórico. Da minha lista, faltou visitar o Cerro San Cristóbal, mas teve que ficar para a próxima vez! O horário ficou apertado porque tínhamos reserva no restaurante Giratório. Contarei sobre ele no próximo post!

Bj bj!

Kinha
Kinha

A bagagem de uma mulher, esposa, mãe, executiva e viajante, com um pouco de tudo e muito de nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse espaço é seu... Deixe seu comentário e vamos conversar!