A caixinha não me define


Conheço muitas histórias de pessoas que sofreram um baque ao deixarem suas atividades profissionais, seja por desemprego, quebra da empresa, perda de função gerencial ou aposentadoria. Em geral, essas histórias terminam numa mesma questão: “Quem sou eu agora ?”

De repente, você deixa de ser o gerente ou o chefe ou o Fulano da empresa tal e passa a ser simplesmente você. Simplesmente ? Não! Esse é o primeiro erro. Você é muito mais que seu emprego, cargo ou função que exerce! Se você não conseguir se enxergar além das paredes da corporação, talvez tenha dificuldade para transpor essa barreira invisível que te limita a uma falsa definição de quem é.

Eu sei que muitas pessoas estão acostumadas a se apresentar pelo seu lado profissional. Você mal começa uma conversa com alguém, mesmo num ambiente informal, e aí vem a pergunta: “você faz o que ?” E muita gente responde: “eu trabalho na (Empresa)”. A associação com a empresa acaba se tornando a melhor definição do que se faz. 

Pior ainda quando a resposta ainda vem com cargo e corporação: “eu sou o Gerente de Marketing da empresa X”. Oi ????

Quando essa associação se desfaz, é possível que você sinta um abismo abrir sob seus pés. “E agora ?”

Pois aqui vai um toque importante: você é mais que o organograma! Não caia na armadilha de se deixar limitar à estrutura organizacional. A caixinha não te limita nem te define. Estar ou não na caixinha é uma questão de oportunidade. Não quer dizer que você é mais ou menos capaz.

Esse é o grande risco quando a vida profissional assume a dianteira dos outros aspectos da vida e a pessoa física se mistura com a pessoa jurídica.

Eu sei, não existe isso de vida profissional x vida pessoal. Existe vida, que engloba as questões pessoais e profissionais. Nosso foco de atenção deve transitar entre os dois aspectos, não se pode dissociar. O equívoco está em focar demais num dos lados e esquecer quem se é no todo.

Enfim, uma mudança ou mesmo um capítulo ruim na sua trajetória profissional não pode reescrever toda a sua história. Mas a sua postura frente a esse capítulo, sim, pode mudar completamente o enredo da sua vida. Acima de tudo, lembre-se que você é quem tem a caneta na mão. Levante-se e comece a escrevê-lo já. 

Bj bj!
Kinha
Kinha

A bagagem de uma mulher, esposa, mãe, executiva e viajante, com um pouco de tudo e muito de nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse espaço é seu... Deixe seu comentário e vamos conversar!