Filme: Before Midnight - A trilogia Before... Sunrise, Sunset and Midnight


Esperei ansiosamente pelo lançamento do filme "Antes da Meia-Noite". Eu tinha adorado os dois filmes anteriores e queria muito saber como a vida seguiu para Celine e Jesse.

Assisti "Antes do amanhecer" (1995) num Supercine, no final dos anos 90. Lembro bem da leveza do filme e do frescor dos personagens, Celine e Jesse, jovens que se conheceram num trem seguindo pela Europa. Chegando em Viena, onde ele desceria para sua última parada na Europa, ele a convida para descer e se aventurar com ele em um dia na cidade. Com aquele espírito de liberdade, característico da juventude, ela resolve acompanhá-lo. E assim começa a história dos dois, que em 24 horas se conhecem, se apaixonam e se despedem, com a promessa de se reencontrar em 6 meses, ali mesmo em Viena.

Pouco tempo, mas muitas emoções. Andam, andam, conversam, conversam. Compartilham sem receio pensamentos, anseios, temores. Abrem o coração. Se entregam à paixão. Não trocam endereço, nem telefone, temendo que a comunicação ficasse artificial. Fazem a promessa do reencontro na mesma estação de trem e partem, ele de volta aos Estados Unidos, ela, para Paris. Puro romantismo. O filme termina deixando a dúvida se aquele amor de uma noite seria capaz de resistir ao tempo e à distancia. E havendo um reencontro, seria aquele sentimento um amor de verdade ou apenas um encanto, fruto da circunstância ?

9 anos depois, foi lançado "Antes do por-do-sol" (2004). Jesse agora é um escritor famoso e está em turnê pela Europa divulgando seu livro, um best seller que narra a estória de dois jovens que se conhecem no trem e se apaixonam em Viena... No fim da última sessão de autógrafos, em uma livraria em Paris, uma jovem francesa entra e o desconcerta: Celine. Meio sem jeito, os dois resolvem tomar um café. E, claro, surge a pergunta inevitável: eles voltaram à Viena ? Celine não pôde, perdeu a avó naquela data. Jesse foi e a esperou por dois dias.

A vida seguiu para ambos. Ele casou com uma colega de faculdade. Já era pai. Ela era uma ativista, continuava cheia de ideais, estava num relacionamento sério. Andam, andam, conversam, conversam. Até que as mascaras caem. O casamento dele estava se arrastando há anos. Na verdade, ele nunca esteve convicto da decisão, casou por uma gravidez não planejada. A vida amorosa dela era um fracasso, vivia de relacionamento em relacionamento, em busca de um sentimento que nunca reacendeu, desde uma noite em Viena. Ninguém havia esquecido.

Esticam aquele encontro ate o horário limite de Jesse partir para o aeroporto para pegar seu voo de retorno aos EUA. Mas depois daquele reencontro e da descoberta de que pra nenhum deles a chama daquele sentimento tinha apagado, ele já não tinha pressa de partir. O filme termina sem um beijo. Apenas ela diz que ele iria perder o voo, e ele confirma tranquilamente: "Eu sei." Não fica dúvida de que eles se entregariam naquela noite. Mas seria pra valer ? Esse sentimento seria real mesmo ou uma ilusão ? Ele jogaria pro alto seu casamento e ficaria longe do filho ? 

Tantas perguntas ficaram no ar, até que, finalmente, depois de outros longos 9 anos, foi lançado "Antes da Meia-Noite" (2013). Celine e Jesse estão casados há 9 anos e têm filhas gêmeas. Estão de férias na Grécia. O filho dele já é um adolescente e passa as férias com o pai. Jesse vive o drama de consciência, por estar longe do filho, perdendo momentos importantes da vida dele. Celine está insatisfeita com a vida de mãe em tempo integral. Abdicou da vida profissional mas se sente improdutiva e frustrada, por estar à sombra do sucesso do marido. Quando tiveram um tempo só pra eles, a noite, que era para ser romântica, virou uma DR (Discussão de Relação). Celine não se sente plena na vida que escolheu, cobra de Jesse a independência que perdeu, se sente insegura em relação aos sentimentos dele, porque ela mesma vive uma crise de identidade e autoestima. Age de forma infantil, não consegue manter um diálogo maduro. Foge da discussão, batendo a porta e o deixando falando sozinho. Despeja o que quer dizer e sai, sem dar a vez ao outro. Celine ficou estressada e chata! O casamento fez isso ? Como manter o casamento assim ?

Com uma paciência de Jó, Jesse consegue trazê-la de volta à racionalidade e ensaiam um recomeço. Apesar de tudo, o sentimento que os uniu ainda está lá, passados 18 anos daquele primeiro encontro em Viena. 

O filme passou longe da minha expectativa. Não teve o encanto e o romantismo dos filmes anteriores e ainda me incomodou. Também sou mãe de gêmeos, casada há 9 anos. Fiquei tentando entender a cabeça da personagem, mas foi difícil. A vida de nenhuma mãe com filhos pequenos é fácil, realmente a gente às vezes se sente esgotada, pressionada. A vida da mãe que trabalha fora, menos ainda. As obrigações se acumulam, principalmente se você não terceiriza a educação dos filhos. Não existe fórmula. Cada mãe tem que fazer a escolha que tem a ver consigo. Não adianta querer se dedicar exclusivamente à família e viver frustrada. Senão, a família será prejudicada por esse sentimento. A presença tem que ser de corpo e alma, e a gente só consegue colocar a alma no que faz se estiver realmente feliz. 

Esposas, mães, amigas, não abram mão de quem são. Tudo se ajeita na vida, mas a perda de identidade não. E quando a identidade é perdida, a pessoa que despertou o sentimento na outra deixa de existir. Isso é que faz ruírem as relações. 

Espero que a Celine se reencontre. Com sorte, saberemos daqui a nove anos.
Kinha
Kinha

A bagagem de uma mulher, esposa, mãe, executiva e viajante, com um pouco de tudo e muito de nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse espaço é seu... Deixe seu comentário e vamos conversar!