Feliz quem encontrou "Forrester"

Recentemente assisti ao filme "Encontrando Forrester". Não dei nada por ele ao ler o título e a sinopse também não me disse muita coisa. Mas ao ver o cast, descobri Sean Connery no papel de Forrester e decidi assistir (90% das minhas escolhas de filme são baseadas nos atores que os fazem).

O filme conta a estória de um jovem adolescente negro, criado na periferia de Nova Iorque (Bronx), que ganha uma bolsa de estudos em uma escola de elite de Manhattan. O garoto tem um grande potencial no basquete e na escrita. Pelos "acasos" da vida, ele conhece William Forrester, que descobre ser um talentoso e recluso escritor. Nasce uma grande amizade entre eles e Forrester o incentiva a desenvolver a sua habilidade com a escrita. Do mesmo modo, o aluno o ajuda a ver a vida sob outra perspectiva e o motiva a se reconectar com o mundo. 

Um filme recheado de lições de vida, mesmo que um pouco batidas nos filmes de Hollywood, mas que nunca deixam de emocionar aqueles que enxergam o valor das pessoas, que acreditam que condições sociais e características étnicas não podem definir ou delimitar o potencial de alguém. Também ressalta que as pessoas não têm prazo de validade. A nossa existência é finita, sabemos, mas enquanto há vida, há o que viver, há projetos a desenvolver, há objetivos a perseguir. A idade não pode limitar nossos sonhos e perspectivas. 

Depois de assistir ao filme, não pude deixar de reconhecer naquelas lições o quão sortuda eu sou de ter "encontrado Forrester". Encontrei meu "Forrester" ainda na infância e dele recebi lições importantes, que me prepararam para a vida. De vizinho, a amigo para toda vida, ele é o padrinho que a vida me deu. Ele me ensinou a enfrentar o preconceito, quando aos 5 anos senti a dor de ser rejeitada por causa da cor da minha pele. Ele me incentivou a acreditar em mim quando, diante da insegurança do vestibular, me disse para dar o meu melhor que a vaga era consequência, e me mostrou isso com ações concretas, dedicando seu tempo em noites de estudo e de preparação psicológica. Ele me ensinou a não ser medíocre, a buscar fazer sempre o meu melhor. E que coragem não é a ausência de medo, mas sim, o enfrentamento. Ter medo, um dos "gigantes da alma", é inerente ao ser humano. A coragem está naqueles que encaram seus medos. E ele continua me dando lições, com o seu exemplo.

Feliz aquele que tem um mentor, um incentivador, um inspirador, que o impulsiona a acreditar em si mesmo e a buscar se superar sempre, não para conquistar o reconhecimento dos outros, mas para ser coerente consigo, com a sua dignidade e com seus ideais. 


Kinha
Kinha

A bagagem de uma mulher, esposa, mãe, executiva e viajante, com um pouco de tudo e muito de nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse espaço é seu... Deixe seu comentário e vamos conversar!